quinta-feira, 10 de março de 2011

PÃO SÍRIO

Na minha bacia de alumínio, pus três colheres (sopa, rasa) de açúcar, duas colheres (sobremesa, rasa) de fermento biológico seco (aquele granulado), duas das quatro xícaras (sopa) de farinha de trigo que vou usar na receita e um copo (americano) de água morna. De início, mexi com colher de pau até incorporar bem e, logo, passei a mexer com a mão mesmo. Deixei descansar por dez minutinhos. Aí, acrescentei um copo (americano) de leite morno, uma colher (sopa, rasa) de sal, uma colher (sopa) de óleo de soja e um ovo. Tornei a mexer bastante e utilizei o restante da farinha. Enquanto amassava, tive de ir acrescentando punhadinhos de farinha, pois a massa ainda ficava grudando na mão. Com uma faca, dividi-a em cinco pedaços e enrolei tiras que também cortei para fazer bolinhas que passei pela farinha de trigo (só a parte que ficava em contato com a superfície) e pus para crescer em uma forma de alumínio. Deixei descansar por quinze minutos. Aí, fui abrindo cada bolinha, com o rolo, e dei o formato do pão sírio, arrumando a massa formatada pelos espaços da forma que usei para assar os pães. Deixei descansar novamente, por dez minutos. Levei para assar no forno que tinha sido ligado, com antecedência, à temperatura de duzentos e cinquenta graus. Assim que retirava do forno, punha sobre um pano esticado na mesa e cobria com outro. É tática para que, ao esfriar, fique macio, porque assim como acontece com o sapo que pula, não por boniteza, mas por precisão, também esse pão saboroso não é nenhuma lindura, mas carrega, por serventia, a exigência de ser macio ao mastigar...

Aproveitei e fiz um chazinho de casca de maçã com três cravos da Índia e saí, com minha canequinha de chá fumegante e cheiroso em uma mão e um pão quentinho na outra, para observar a formação das nuvens no céu. A gente cresce e adquire a automação de viver enfurnado e ensimesmado nos emaranhados do próprio pensamento e nem se lembra de observar o cenário... Hoje, resolvi que ando precisando olhar mais pro céu...

Nenhum comentário:

Postar um comentário