segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

EMPANADO DE FILÉ DE TILÁPIA

Comprei um quilo de filé de tilápia, cortei em pedaços menores, e temperei com uma colher (sopa) do meu tempero mais o caldo de uma laranja. Mexi para incorporar o tempero por igual e reservei. Atualmente, evito fazer frituras. Antigamente, não me preocupava com o fato de não ser saudável, pois nem tinha essa consciência. Mas minha intenção é a de fazer empanado, então, tenho de fritar os pedaços de peixe antes. Em uma frigideira, coloquei o equivalente a uma xícara (café) de óleo e, à medida que o óleo esquentava, punha os pedaços dos filés, tendo, antes, passado, levemente, por um pouquinho de farinha de trigo que coloquei em um prato. Bem pouquinho mesmo. Para dar uma secadinha e não espirrar na hora de fritar. Se exagerar, aparece o gosto da farinha e é bem desagradável. À proporção que fritava, acrescentava óleo e acrescentava farinha.
Depois de todos os pedaços fritos, reservei, enquanto fazia a massa para o empanado. Pus uma clara de ovo no liquidificador e acrescentei uma xícara (chá) de água, meia xícara (café) de óleo, duas colheres (sopa) de amido de milho, uma xícara (chá) de farinha de trigo e uma colher (café, bem rasa) de fermento em pó. Bati até perceber que misturou por igual e despejei em uma travessa que coloquei sobre o fogão, ao lado da frigideira onde vou fritar o empanado. Nem precisei lavar a frigideira. Despejei o restinho de óleo no lixinho de molhados (depois vai para o galinheiro onde as galinhas fazem a festa), passei uma folha de papel toalha e ficou prontinha para o uso. Desta vez, pus mais óleo, o equivalente a um copo e meio (americano), pois a fritura do empanado exige imersão.

À proporção que, com uma colher, apanhava um pedaço do peixe frito, mergulhava-o na massa e levava-o à frigideira, pensava em como é bom ver a cara de felicidade da turma, quando chega para o almoço e descobre que tem empanado... Ô dó... Se tiver alguém com a intenção de só beliscar, de leve, pode esquecer. Ninguém resiste. Ainda mais se tiver o molho agridoce. Aí, a felicidade é completa! Sem sobrar lugar pra remorso...
Sítio Rosa Mística, 12 de outubro de 2010

Um comentário:

  1. Hoje, postei essa receita que escrevi em outubro do ano passado, porque a fiz novamente. Desta vez, fiz com frango. Com as sobras do frango assado de ontem. Pena que não tinha o molho agridoce e fiquei com preguiça de fazer. Por mais que eu capriche, o meu nem se compara ao comprado pronto... Ainda mais que eu não tinha abacaxi... Tem hora que é preciso reconhecer as próprias limitações...

    ResponderExcluir